Home Ceará Com chuvas, cuidados contra mosquito devem ser redobrados

Com chuvas, cuidados contra mosquito devem ser redobrados

5 Primeira leitura
0
0
48

A pré-estação chuvosa no Ceará já dá seus primeiros sinais neste mês. Com as chuvas, mesmo que isoladas, aumenta o risco de proliferação do mosquito Aedes aegypti. Por isso, a Secretaria da Saúde do Ceará reforça o alerta à população para redobrar os cuidados no combate ao mosquito que transmite dengue, chikungunya e zika. É preciso não deixar o mosquito nascer.

O Aedes aegypti vive em ambiente público e domiciliar. O poder de reprodução é enorme. O ovo do mosquito da dengue, zika e chikungunya consegue sobreviver por mais de um ano, mesmo se o local onde foi depositado estiver seco. Por isso, para a prevenção dessas doenças, é fundamental evitar o acúmulo de água parada que não pode ser protegida, especialmente nesse período de chuvas.

A fêmea põe os ovos e no primeiro contato com gotinhas de água eclodem, viram larvas, pupas e depois o mosquito adulto. Tudo isso muito rápido. Com as condições de temperatura e umidade do Ceará, em oito dias o ovo, em contato com água, vira mosquito adulto e sai.

Separar o lixo em sacos plásticos e colocá-los na rua somente no horário de coleta, evitando o acúmulo de resíduos em locais públicos como calçadas, praças, meio-fio é um dos principais cuidados para manter a saúde individual e coletiva. Até mesmo uma tampinha de refrigerante, um simples copo descartável ou uma sacola de plástico podem acumular água e virar um criadouro do mosquito.

Limpar as calhas, tampar e vedar bem quaisquer recipientes que podem acumular água, como potes, pneus, barris e caixa d’água, que deve ser mantida limpa, por exemplo, são outras importantes ações que, se realizadas regularmente, evitam focos do Aedes aegypti. Atitudes fáceis e que ajudam na prevenção e no controle do mosquito.

No Ceará, em 2017, foram confirmados 24.891 casos de dengue, sendo 119 graves e 21 óbitos, 99.984 de chikungunya, com 162 óbitos, e 571 de Zika Vírus, sendo 88 em gestantes. E dos 181 municípios, o equivalente a 98,36% do total, que realizaram o 3º Ciclo do Levantamento Rápido de Índice de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa), em novembro, oito estão em situação de risco. Ou seja, 4,41% da amostra. A adesão dos municípios ao LIRAa aumentou e os indicadores melhoraram. Isso foi possível com a participação da população, que é de fundamental importância para a conquista desses resultados.

Os municípios são responsáveis pelo planejamento e pelas ações de combate ao mosquito, como as visitas de casa em casa, feita pelos agentes de endemias, e a pulverização de inseticidas. Mas cada cidadão também é corresponsável e precisa fazer vistorias periódicas em seus imóveis para evitar focos. Não deixar o mosquito nascer é responsabilidade de todos.

Com informação do Governo do Estado do Ceará

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Ceará

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Veja Também

Suspeito de homicídio em Icó morre durante troca de tiros com RAIO

Na noite de ontem (19), por volta das 19H50m, a composição do RAIO 04, com o apoio do RAIO…