Home Notícias ELEIÇÕES 2018: Marina Silva atribui queda nas pesquisas a pouco tempo de televisão e critérios para colig

ELEIÇÕES 2018: Marina Silva atribui queda nas pesquisas a pouco tempo de televisão e critérios para colig

4 Primeira leitura
0
0
14

Marina Silva afirmou nesta terça-feira (11) que o pouco tempo de televisão é um dos fatores para sua queda de 16% para 11% das intenções de voto, segundo o DataFolha, e que isso é consequência de uma escolha da chapa em não fazer alianças com investigados por corrupção. Ela foi a primeira entrevistada da série de sabatinas realizadas pelos jornais O Globo, Valor Econômico e pela revista Época.

A jornalista Miriam Leitão indagou Marina sobre a queda nas intenções de voto, e a candidata alegou que pesquisas são retratos de momento. Independente disso, afirmou a ex-senadora, as candidaturas têm o dever de participar do processo político e debater projetos, e que este seria o principal objetivo das eleições.

“Acho que a questão do pouco tempo de televisão é uma coisa que tem um peso sim, tem algumas candidaturas que tem um tempo enorme, agora, não fazer as alianças é uma escolha. E é uma escolha que tem a ver com coerência, eu sempre digo que eu quero ganhar ganhando, eu não quero ganhar perdendo. Fica muito difícil você dizer ‘ah, eu vou ser tolerância zero com a corrupção’ e ter pelo menos 500 anos de Lava Jato em cima do palanque”.

De acordo com Marina, a chapa com Eduardo Jorge começou bem, mas os eleitores dão muito valor a critérios como estrutura de campanha e orçamentos milionários, o que desidrataria a candidatura. A ambientalista afirmou ainda que governará com nomes que considerar “bons”, sem distinção de partido, como Eduardo Suplicy (PT) e Carlos Bezerra (MDB). De acordo com Marina, porém, pessoas boas sempre acabam ficando “no banco de reservas” no modelo político atual.

Questionada sobre as diferenças com o candidato Jair Bolsonaro, que também é evangélico, Marina afirmou que não cabia a ela julgar a fé de ninguém, mas que as diferenças políticas devem estar em pauta.

“A justiça de Deus é também para os índios, é também para os negros, e também para as mulheres, é também para os gays. Posso falar do ponto de vista politico, filosófico”.

Ainda segundo Marina, o ataque sofrido por Bolsonaro, mesmo com um robusto esquema de segurança, prova que o Brasil não pode revogar o estatuto do desarmamento. Ela também afirmou que não se arrepende de ter defendido o impeachment de Dilma Rousseff e que, na verdade, considera que a cassação da chapa Dilma-Temer teria evitado a grande crise econômica e política que o Brasil enfrenta.

 

Roberto Moreira

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Notícias

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Veja Também

Miss Ceará Earth terá icoense concorrendo a coroa

A Miss Earth Icó Luana Chaves de 18 anos irá participar do concurso da Miss Ceará Earth, e…