Home Geral TJCE mantém suspenso reajuste de salários de gestores de Juazeiro do Norte

TJCE mantém suspenso reajuste de salários de gestores de Juazeiro do Norte

4 Primeira leitura
0
0
72

O reajuste dos salários do prefeito, vice-prefeito e secretários de Juazeiro do Norte, no sul do Ceará, foi suspenso pelo Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) nesta quarta-feira (13) confirmando decisão de 1º grau.

Segundo a desembargadora Maria Iraneide Moura Silva, relatora do caso, quando o Juízo de 1º Grau suspendeu a majoração dos subsídios “objetivou evitar suposto prejuízo financeiro ao erário, tendo em vista seu caráter irrepetível”.

No dia 27 de outubro de 2016, a Câmara dos Vereadores de Juazeiro do Norte aprovou projeto que reajustou os salários dos gestores e vereadores municipais em até 42,25%. Com isso, o vice-prefeito teria subsídio de R$ 21 mil e o prefeito passaria a receber R$ 33 mil, valor maior que o vencimento do presidente da República. Já os vereadores receberiam, a partir de 2017, R$ 12 mil, quando anteriormente o salário era de R$ 10 mil.

Ação Civil Pública

Em novembro do mesmo ano, o Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE) ajuizou uma Ação Civil Pública (ACP) – com pedido liminar – para suspender o aumento dos salários do prefeito, vice-prefeito, secretários municipais e vereadores.

Segundo o MPCE, houve irregularidades no processo legislativo. As leis apresentadas em 11 de novembro de 2016 tramitaram em caráter de urgência, tendo sido aprovadas em 15 dias, e sancionadas 11 dias depois. O pedido foi deferido em sede de liminar pelo Juízo da 2ª Vara Cível de Juazeiro do Norte.

Requerendo a suspensão da decisão, a Câmara Municipal entrou com recurso no TCE. Alegou que a decisão violou a lei, pois foi deferida medida liminar sem prévia manifestação no prazo de 72 horas. Também argumentou que o pedido de aumento está de acordo com a Lei Orgânica do Município de Juazeiro do Norte.

Ao julgar o caso, a 2ª Câmara de Direito Público negou o recurso e manteve a decisão de 1º grau, acompanhando o voto da desembargadora. Maria Iraneide Moura Silva destacou que a fixação de subsídio dos agentes políticos deve ser feita posteriormente às eleições municipais, quando seus resultados já são conhecidos e para atender mais ao interesse pessoal de tais agentes, em detrimento do interesse público, o que não ocorreu no caso.

A desembargadora também acrescentou que “foram inobservados os comandos normativos constitucionais inerentes aos princípios da anterioridade, moralidade e impessoalidade previstos”.

G1/CE

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Geral

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Veja Também

Suíça vence Sérvia e deixa grupo do Brasil embolado

O grupo E da Copa do Mundo da Rússia está embolado. Nesta sexta-feira, poucas horas após a…